Tudo que você precisa saber sobre hospedagem gratuita através do Couchsurfing

Marcamos a data da nossa viagem para a Nova Zelândia, compramos as passagens e enviamos um e-mail à um completo desconhecido perguntando se ele podia nos hospedar na casa dele por algumas semanas, de graça, claro.

E ele não só aceitou, como ainda se ofereceu para nos buscar no aeroporto.

Parece loucura né? Mas graças ao Couchsurfing essa história é real.

Logo que surgiu a ideia de morar fora do país, uma das primeiras preocupações que tivemos foi melhorar o nosso inglês. O Rodrigo já tinha um nível intermediário a avançado, mas o meu era o que se pode chamar de “básico melhorado”, graças às inúmeras séries americanas assistidas com legenda. Thanks Netflix!

E foi pesquisando por maneiras de melhorar o nosso inglês que nós chegamos ao Couchsurfing.

O Couchsurfing (que traduzindo ao pé da letra significa “surfando sofás”) é um site mundial criado em 2003, que conecta viajantes à pessoas dispostas à hospedar gente em casa para uma troca de experiências. De um lado alguém oferece um lugar para dormir, que pode ser um quarto, uma cama ou um sofá (como o próprio nome do site diz) e de outro lado está alguém que precisa de um lugar para ficar por uma noite ou até mesmo algumas semanas, e em troca pode oferecer um pouco de sua cultura, como a convivência com uma língua diferente, comidas típicas etc. É como se fosse um intercâmbio onde todo mundo sai ganhando.

A primeira vista é um pouco assustadora a ideia de hospedar em casa uma pessoa desconhecida e que  provavelmente tem costumes muito diferentes dos seus e mais assustadora ainda é a ideia de ficar na casa de alguém que você nunca viu na vida.

Mas depois de saber melhor como funciona o Couchsurfing você vai entender porque mais de 1 milhão de pessoas ao redor do mundo estão cadastradas no site.

Cadastro 

  1. Crie seu cadastro no site clicando no botão join/participar  no canto superior direito. Você pode escolher se quer preencher os seus dados ou criar uma conta usando os dados do Facebook.
  2. Responda à todas as perguntas! Isso é muito importante. O tempo que você investir escrevendo respostas completas e bem estruturadas vai fazer muita diferença no futuro, pois um perfil bem completo tem muito mais chance de ser aceito pelos melhores anfitriões. Portanto, sem preguiça!
  3. O site mostra quanto % completo está o seu perfil e cada informação tem um valor para esse cálculo. Por exemplo, adicionando o seu telefone você ganha +5% de “perfil completo”, se se tornar um membro verificado +25%.
  4. Para se tornar um membro verificado é preciso pagar $20 por ano, o que não é muito se você considerar que apenas uma noite em um hostel custa em média $30. O Couchsurfing vai verificar as suas informações e te dar um selo de “verified/ ser verificado“. A vantagem, segundo o próprio site, é que você consegue encontrar um anfitrião até 2x mais rápido. Eu e o Rodrigo não temos perfis verificados e aparentemente nunca tivemos problemas com isso, mas talvez um dia a gente teste pra ver se é mais rápido mesmo.

O perfil é um só, tanto para ser um visitor (convidado ou hóspede), quanto para ser um host (anfitrião).

Como pesquisar por um host 

  1. O primeiro passo é digitar o destino no campo de pesquisa. Pode ser a cidade, o estado ou o país que você vai viajar.
  2. Clique em “local hosts/ anfitriões locais” para ver os perfis das pessoas cadastradas no local que você está buscando.
  3. Digite as datas de chegada e de partida e o número de pessoas que vão se hospedar. Se você clicar em “more filters/ mais filtros” vai poder selecionar outros filtros como “pet-friendly/ adequado para animais de estimação” para filtrar por lugares que aceitem animais ou “private room / quarto privativo” se você não quer dividir quarto ou dormir na sala, por exemplo. Você também pode buscar por palavras-chave como “surf” ou “arquitetura” para encontrar hosts com os mesmos interesses que você.
  4. Ao lado do nome e da cidade dos anfitriões, vai aparecer o status em que eles se encontram:

Accepting guests – aceitando convidados

Maybe accepting guests – talvez aceitando convidados

Not accepting guests – não aceitando convidados

Wants to meet up – Não pode ser anfitrião, mas quer conhecer (essa é uma outra possibilidade que vou explicar daqui a pouco)

Você também pode aplicar um filtro pra ver somente os anfitriões que estão aceitando visitantes.

  1. Agora é a hora de analisar cada um dos perfis que sobraram após a “peneira”. Leia todas as informações dos hosts e PRINCIPALMENTE os comentários dos outros viajantes.
  2. Envie uma solicitação ou um -mail para os anfitriões que você mais gostou e pronto! Só aguardar as respostas. Mas não desanime se as primeiras respostas forem negativas. Às vezes (principalmente no início, quando você não tem referências) é preciso entrar em contato com vááárias pessoas pra finalmente uma delas aceitar.

Outra função interessante do Couchsurfing: marcar encontros 

É pra marcar encontros, mas não tipo o Tinder (pelo menos, não deveria ser rsrsrs).

As pessoas que estão com a opção “wants to meet up/ não pode ser anfitrião, mas quer conhecer” selecionada geralmente não podem receber hóspedes, mas ainda assim querem ter contato com viajantes, seja pra aprender um idioma ou simplesmente ter contato com outras culturas. Os “meets” podem ser em um restaurante legal da cidade, um pub, um café ou até mesmo um walktour pelos principais pontos turísticos da região.

PRAIA COUCH

Uma das vezes que usamos o Couchsurfing pra marcar encontro

Grupos 

Os grupos são um mundo à parte dentro do Couchsurfing. Funcionam como uma rede social onde as pessoas se conectam por um objetivo em comum, como por exemplo, caronas, dicas de lugares, grupos de estudo de determinados idiomas, esportes e mais um mundo de coisas (literalmente). Podem ser presenciais (como é o caso dos grupos de encontros) ou digitais. Para pesquisar grupos, clique no botão “grupo” na parte superior direita do site do Couchsurfing e utilize o campo de pesquisa.

Nós chegamos a ir à alguns encontros de um grupo de conversação de inglês que acontece uma vez por semana no Porto do Barra em Salvador. Foi uma experiência super interessante onde conhecemos pessoas de vários lugares do mundo e ainda aprendemos inglês!

Eventos 

Os eventos são encontros organizados para os mais diversos fins, desde ir à praia ou beber uma cerveja, até ajudar a reformar casas de pessoas carentes.

Qualquer pessoa pode criar um evento. Se você quiser companhia pra uma trilha, por exemplo, é só criar um evento e esperar por pessoas interessadas.

Você encontra a seção eventos pertinho dos grupos e pode pesquisas por eventos digitando na aba de pesquisas o nome do lugar que você deseja.

Pergunte a um morador local

Vai viajar e não sabe qual a operadora de celular tem o melhor sinal? Quer saber se as estradas na região são boas pra viajar de carro?

Pergunte pra quem vive lá!

Com o “find local advice/ encontrar conselhos locais” você pode fazer perguntas às pessoas que vivem no local que você deseja visitar antes mesmo da sua viagem!

Nossa primeira experiência hospedando

Em agosto de 2015, quando morávamos em Salvador, nós hospedamos nosso primeiro Couchsurfer, o Sachin, um indiano.

E a experiência não poderia ter sido melhor!

O Sachin também tem um site de viagens, o Eccentrips, onde ele conta as experiências que tem vivido ao redor do globo. E em Salvador o objetivo dele era conhecer mais a fundo o Candomblé afim de comparar com o Hinduísmo.

Ele ficou hospedado na nossa casa por mais de 1 mês, tempo suficiente pra gente ganhar um irmão, treinar o inglês como nunca antes e viver uma experiência de intercâmbio cultural sem sair de casa e o melhor, sem gastar absolutamente nada.

Nasceu naquele momento, uma vontade enorme de conhecer outras pessoas e viver essa experiência muitas outras vezes.

Depois disso passamos a procurar no próprio site do Couchsurfing por pessoas de todo o mundo que estivessem passeando pela Bahia mesmo que não precisassem de hospedagem. Só pra conhecer gente de lugares diferentes, levar pra conhecer a cidade, ir pra praia, fazer um churrasco e treinar o inglês, claro.

Nossa primeira experiência sendo hospedados

Quando compramos as passagens para a Nova Zelândia (viemos com o Working Holiday Visa, leia mais aqui) já havíamos decidido que não queríamos ficar nossos primeiros dias em terras kiwis em um hotel ou coisa parecida.

Então, assim que definimos a data de ida, pesquisamos no Couchsurfing as pessoas que se encaixavam no perfil que estávamos buscando.

E logo de cara eu gostei do perfil do Noel, um Kiwi de 53 anos que parecia ser exatamente o tipo de pessoa que nós gostaríamos de conhecer. Enviei uma listinha com uns 5 perfis que eu tinha gostado para o Rodrigo e o que ele mais gostou também foi o Noel.

Mandamos uma mensagem e ele aceitou nos receber. Simples assim! E demos muita sorte, conhecemos um cara super positivo, gente boa, trabalhador, que foi até nos buscar no aeroporto e nos fez sentir em casa nos nossos primeiros dias na NZ.

O Noel já é experiente nessa história toda e hospedou mais de 200 pessoas através do Couchsurfing!

E o legal é que nós fizemos questão de reencontrar o Noel todas as vezes que voltamos à Auckland, inclusive passamos uma noite de Natal super divertida na casa dele ao lado de outros Couchsrufers que também tinham sido hospedados por ele anteriormente.

Natal do Couchsurfing na casa do Noel

Natal do Couchsurfing na casa do Noel

Como se já não bastasse isso, ele ainda nos convidou pra passarmos alguns dias em Taupo Bay na região de Northland. Uma das praias mais lindas que nós já fomos aqui na Nova Zelândia, onde pudemos descansar, passear de lancha, fazer mergulho com cilindro, pescar e até participar de um desfile de trator! Tudo isso sem gastar nada! Só na amizade mesmo.

 

Tractor Parade em Taupo Bay

Tractor Parade em Taupo Bay

 

Passeio de barco

Passeio de barco

Todas essas experiências só foram possíveis porque um dia nós decidimos sair da nossa zona de conforto e pedir hospedagem a um desconhecido do outro lado do mundo.

E depois das nossas experiências, só podemos concluir uma coisa: ser um couchsurfer é muito melhor do que ser um hóspede qualquer de um hotel por aí.

É de graça, é confortável e ainda te dá amigos pro resto da vida.

Ainda não há comentários.. deixe o seu comentário!!

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *